Quinta e sexta 

É difícil manter a disciplina de escrever aqui, principalmente porque os eventos que narro muitas vezes nos pegam de surpresa. Escrever serve como forma de elaborar, de compartilhar a angústia, e muitas vezes também como forma de me deparar com a realidade. Dividir o que acontece com o Tom torna aquele fato um tanto mais real. Isso pode ser uma coisa boa, mas em outros momentos é um desafio.

Depois de algumas semanas na UTI pediátrica foi decidido que Antonio passaria por uma nova cirurgia. Seu intestino ainda mostrava-se obstruído, e para poder tentar alimenta-lo por boca, essa obstrução teria de ser resolvida. Mais uma cirurgia. Mais uma sedação. Mais uma entubação. E lá foi ele, rumo à quinta. Já estávamos calejadas. Horas depois ele voltou. Mais uma vez tinha perdido pedaços de seu intestino. Agora ele tinha 9cm. Um intestino “ultra curto”. Nos preparávamos para a recuperação. Ele, como sempre, forte e guerreiro.

No sábado, 7 de novembro, aniversário do meu pai, nos preparávamos para levar Dan para comer uma pizza para comemorar. Esse momentos de descontração são tão raros que nós ficamos super animadas. Assim que chegamos na casa dos meus pais, recebi uma mensagem da Aline, cuidadora que fica com Antonio aos finais de semana quando não estamos com ele – “os médicos examinaram o Antonio, acharam sua barriga muito distendida. É melhor vocês virem para o hospital, pois talvez tenha que ser operado”. Que pesadelo. Saímos correndo e rumamos ao hospital. Chegamos lá e logo encontramos o cirurgião. Antonio foi levado às pressas para sua sexta cirurgia. Ele não tinha completado quatro meses devida, e já estava completando sua sexta intervenção cirúrgica.

Por algum motivo, houve uma perfuração no intestino. Colocaram um dreno na sua barriguinha e tínhamos que torcer para o furo fechar. A cirurgia serviu para tirar o acúmulo de líquido – no dia seguinte encontrei o cirurgião, que parecia extremamente frustrado. Foi nessa conversa que nos foi confirmado o que já imaginávamos. Tom precisaria de um transplante de intestino. Transplante que não é realizado no Brasil. Transplante que custa um milhão e meio de dólares. Transplante com taxa de sucesso não muito animadora. Tivemos vários momentos tensos e intensos durante esse processo. Para mim, esse dia oito de novembro me marcou. Talvez foi o dia que a minha ficha caiu.

 

2 pensamentos sobre “Quinta e sexta 

  1. Que Deus lhes dê forças. Tom é um anjo enviado por Deus para mostrar o quanto existe força nas pequenas coisas, que tudo tem algo inexplicável e que o amor é incondicional, sem exigir nada em troca. Ame, aproveite cada minuto, para Deus nada é impossível. Se ele lhes foi dado é porque alguma mensagem ele veio lhes trazer. Beijo e saudades. Ana Paula.

  2. Tom, ahhhh, para mim um guerreiro, acredito no milagre, tenho fé que Deus pode reverter está situação, tudo está nas mãos de Deus, o melhor ele fará.

    Força, não desanimem. =*

Leave a Reply